CristinaFaria

 25 de Março de 2016

Igreja de S. Francisco, 19h

Prof. Doutora Cristina Faria

Sinopse:

Comemora-se, no próximo dia 18 de Novembro, o centenário do nascimento de Manuel Faria.
Nascido em Ceide, Vila Nova de Famalicão, este compositor é considerado já um dos mais importantes compositores portugueses do século XX.
Tendo iniciado os seus estudos musicais no Seminário de Braga, foi em Roma que acabou por iniciar o seu desenvolvimento como compositor, obtendo, com as classificações mais elevadas, o grau de Magister em Composição Sacra.
A sua importância no panorama da música portuguesa desse século deve-se tanto ao seu papel de criador musical, sacro e profano, como à sua preocupação como pedagogo e renovador da música litúrgica em Portugal, tarefa pela qual se sentia especialmente responsável devido à sua escolha de vida sacerdotal. Nesta demanda, fundou a Nova Revista de Música Sacra e percorreu as aldeias de todo o norte do país criando pequenos coros litúrgicos.
Da sua obra sacra destaca-se um conjunto de dez Missas, a primeira datada de 1938 e a última (Missa em Honra de São Jorge), de 1978.
A sua mestria composicional está patente também na música profana, destacando-se a obra “Parábolas da Montanha”, para quatro vozes mistas, que valeu a este compositor, em 1972, o Prémio Nacional de Composição Carlos Seixas.
De entre as centenas de obras por si compostas, destaca-se também a ópera “Auto da Fundação e Conquista de Coimbra”, datada de 1963 e estreada em Coimbra em Julho de 2004.
Faleceu no Porto, a 5 de Julho de 1983.
De Manuel Faria, “… o que mais deve salientar-se é a sua permanente fidelidade ao espírito […] cimentado em duas colunas firmes – a alma do povo e a fé na Igreja de Jesus Cristo – e moldado por dois amores – o amor à sua terra e aos seus e o amor a Deus” (Francisco Faria, in “A Música de Manuel Faria – A fidelidade ao espírito”. Nova Revista de Música Sacra”. Braga: Comissão Bracarense de Música Sacra. 2.ª série. 1983 (27-28), p.1-7)